quarta-feira, 24 de setembro de 2014

STEEL FRAME | CONSTRUTORA MONREAL

Deixe um comentário
Construtora Monreal lança sua primeira casa em Steel Frame e demonstra na prática a excelência do moderno sistema construtivo



Atuando há mais de uma década com construções residenciais de alto padrão em alvenaria convencional, a Construtora Monreal, comandada pelo administrador Guido Garcia e pelo engenheiro Cassiano Garcia, lança sua primeira residência em Steel Frame, em Curitiba. Altamente difundido em países como Estados Unidos e Chile, o sistema utiliza uma estrutura composta por perfis de aço leve, onde as chapas de madeira, conhecidas como OSB, fazem o contraventamento. Inovador e ainda pouco conhecido no país, traz diversas vantagens para o canteiro de obras, principalmente pela redução de profissionais envolvidos na construção, facilidade nas instalações elétricas e hidráulicas, precisão nas medidas, menor tempo de obra, além do desempenho acústico e térmico superior. Antes mesmo do lançamento do projeto, marcado para 18 de setembro, a receptividade do mercado e dos clientes da construtora foi além do esperado, já tendo fechadas três obras para início imediato e outras duas contratadas que devem começar até o final de 2014.

A Construtora Monreal deu início ao projeto da show house dentro do Condomínio Paysage Curityba, no bairro São João, na capital paranaense. Convidados para conhecer as vantagens do sistema pela LP Building Products, no Chile, país onde fica a sede da empresa que é especialista na fabricação de produtos para construção em framing, os sócios da Monreal puderam ver de perto como funcionam as edificações e as possibilidades de construção com o steel frame. Por conta da agilidade e da necessidade de que os imóveis fossem reconstruídos rapidamente após o terremoto que devastou o país em 2010, a opção da grande maioria dos chilenos para reconstruir suas casas foi pelo steel frame, que está presente em cerca de 80% dos novos empreendimentos do país. 



Render do projeto



Render do projeto



Render do projeto

Para Guido Garcia, a tecnologia do frame é um passo inevitável para a construção no Brasil. “Hoje a mão de obra não é mais barata como antigamente. Os prazos são cada vez mais importantes para os clientes e também o desempenho das residências deve atender um público cada vez mais seletivo. Acreditamos que o cliente, cada vez mais exigente e com acesso às informações deve poder escolher entre as melhores tecnologias disponíveis no mercado”, explica Guido. O administrador destaca que, embora o steel frame ainda tenha um custo mais elevado do que o sistema convencional, o valor é compensado pela agilidade. “Muitos clientes já chegam na construtora perguntando pelo sistema, sem precisar de qualquer convencimento. A aceitação tem sido muito boa e o cenário tende a ser muito favorável, em um curto espaço de tempo”, salienta Guido. De fato, um dos grandes empecilhos até então para a expansão do sistema foi que a maioria dos insumos eram importados e a burocracia e dificuldade na importação eram os grandes problemas para difundir a tecnologia no país. Atualmente os componentes mais relevantes já são produzidos aqui no Brasil com qualidade e preço competitivo. 

A ideia de construir uma casa utilizando o steel frame antes mesmo de oferecer como opção aos clientes partiu dos sócios, que quiseram conhecer na prática os desafios desse novo modelo de construção. O escritório Campanelli Sano Arquitetura e Design, das arquitetas Andrea Sano e Lisandrea Campanelli, ficou responsável pelo projeto arquitetônico. “Quando falamos em steel frame a imagem que vem à cabeça é a de uma clássica casa colonial norte americana. Ao convidarmos as arquitetas para assinar o projeto, pedimos algo totalmente diferente, com uma concepção mais contemporânea e utilizando harmonicamente diversos tipos de revestimentos para demonstrar todas as possibilidades de uso no sistema. O projeto também conta com pé direito duplo de quase sete metros, marquises de pequena espessura, mezanino, guarda-corpos em vidro fixados por bottons, escada vazada e engastada dentre outros detalhes”, salienta Cassiano Garcia.

O projeto de interiores da casa é assinado pela arquiteta Fernanda Moura Borio. “Diferente de uma obra em alvenaria, a possibilidade de planejar melhor o mobiliário se dá pela exatidão das medidas das paredes. Essa é uma das principais diferenças e permite que o mobiliário possa ser produzido mesmo durante a obra, o que acelera a finalização do projeto”, explica Fernanda. Ainda segundo ela, por ser mais flexível do que a alvenaria e ter um acabamento mais fino, a construção em Steel Frame confere um padrão superior, com paredes mais uniformes. Toda a fixação de mobiliário nas paredes se dá através de parafusos que podem suportar até 150 kg cada e na maioria dos casos não se faz necessária a utilização de buchas ou parafusos especiais.

O projeto piloto levou um ano e meio para ser executado. A ideia principal foi de fazer o aprimoramento da técnica, treinamento dos funcionários e pesquisa das possibilidades que o produto oferece. Porém, o sistema é mais ágil do que a construção em alvenaria, podendo ser finalizado em até metade do tempo, dependendo das características do imóvel. 



34º semana de construção- Fase final


O SISTEMA

Ecologicamente correta, a tecnologia utiliza aço 100% reciclável, sendo o único material que não perde suas propriedades, inclusive estruturais, quando reciclado. A construção é basicamente feita com baixo consumo de água e reduz o entulho gerado, que na sua maioria pode ser reutilizado ou reciclado. Além disso, com as rigorosas mudanças de temperatura que tem ocorrido nos últimos tempos, a opção do steel frame pode trazer além do conforto térmico uma redução considerável no consumo de energia decorrente de climatização dos ambientes.

A fidelidade às medidas impressiona, já que o material vem cortado e furado de fábrica. Por conta disso a vistoria da obra é consideravelmente mais rápida. Outro grande diferencial é uma maior flexibilidade em remodelações futuras na residência. “Em uma obra convencional é complicado eliminar vigas e pilares, enquanto que no frame, respeitando-se as cargas aplicadas e alterando sua distribuição, é mais fácil”, acrescenta Cassiano.









A tecnologia e a flexibilidade do sistema também se sobressaem por ser um produto altamente resistente. Os perfis de aço leve são produzidos seguindo especificações e standards com rigoroso controle de qualidade. O aço utilizado não sofre alterações em suas características, como expansão, mofo, bolor ou variações no diâmetro dos furos para encaixe. Tanto a madeira do OSB quanto a lã de vidro recebem tratamento antichamas, que além de evitar a propagação do fogo, ainda são autoextingüíveis, o que confere ainda mais segurança para a construção. A lã de vidro, responsável pelo isolamento térmico e acústico, também se diferencia por ser antialérgica. 

Rubens Campos, diretor comercial da LP Building Products, explica que o painel OSB é certificado pela APA, associação que certifica a maioria dos painéis estruturais do mundo. Os painéis que levam o carimbo da APA estão aprovados quanto às suas propriedades físico-mecânicas para serem utilizados na construção de casas, conforme a normativa de construção do Canadá e Estados Unidos. Além disso também atende as exigências do Sistema Nacional de Avaliações Técnicas (SiNAT), que faz parte do Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat (PBQP-H), responsável pela avaliação da utilização de materiais de forma segura com qualidade, reduzindo custos e aumentando a produtividade. 


A CONSTRUÇÃO

Após a fundação, que na maioria dos casos é direta pelo fato da estrutura ser bastante leve, já é possível instalar os painéis da parede previamente montados. Todas as paredes são protegidas na base utilizando material específico. A colocação das chapas de OSB aleatoriamente nos painéis faz um contraventamento provisório, que possibilita o trabalho nos painéis de lajes. O processo se repete no pavimento superior, porém, utilizando uma laje mista de OSB e contrapiso armado como base. A cobertura também é montada utilizando qualquer tipo de telha especificada pelo arquiteto.

O passo seguinte é a aplicação da lã de vidro com OSB em ambos os lados, além do dry wall para paredes internas e placas cimentícias para as paredes externas. A última fase da obra vem com o tratamento das juntas das placas aplicando argamassa base coat nas paredes externas e os revestimentos comuns, como as pedras, porcelanatos, madeiras, pastilhas, azulejos, pintura entre outros.











Sobre o OSB, que recebe tratamento repelente a pragas e conta com garantia de 20 anos, são aplicadas chapas de dry wall nas paredes interna e placas cimentícias ou outros materiais mais específicos na área externa. Alguns itens são opcionais pelo sistema construtivo, porém, pela escolha de atuar no segmento de construções em alto padrão, a Construtora Monreal adota eles como itens de série. Os principais materiais são os perfis de light steel frame, chapas de OSB, dry wall, placa cimentícias, lã de vidro, membrana hidrorrepelente para a fachada, argamassa “base coat” também para a fachada, parafusos, parabolts e fitas de vedação ou travamento.

Segundo Cassiano, toda obra projetada para ser executada em alvenaria pode ser feita em steel frame, porém, o contrário nem sempre é possível. Outra característica é a possibilidade de ser combinado com outros sistemas construtivos. As casas com subsolo tem o pavimento em contato com a terra e por esse motivo apenas a parte inferior precisa ser executada no sistema convencional.

Em determinados casos é preciso uma viga ou outra com perfil em aço pesado para vencer os vãos ou balanços propostos pelos arquitetos. Outro diferencial trazido pela Construtora Monreal para o mercado curitibano é o uso de lajes mistas nos pavimentos superiores, dando uma performance muito parecida à laje convencional em termos de vibração.


Parceiros da Construtora Monreal para o projeto arquitetônico: LP Building Products, Gnoatto Portas, Europa Esquadrias em PVC, Alucom Esquadrias em Alumínio, Hotfloor, Paraíso das Piscinas, Guarauna, Vidraçaria Juvevê, Meta Metais, Deca, Portinari, Artpedra Mármores e Granitos, VRF Engenharia de Climatização, Owens Corning, Smart Sistemas Construtivos, Placlux, Cláudia Canales Paisagismo, Chácara Flor da Suissa, Natur Pisos e Araxá Energia Solar. Parceiros da Construtora Monreal para o projeto de interiores: Florense Carlos de Carvalho, Trada, Inove, Interpam, Villa Batel, Goya, Zilda Fraletti, Shadow Persianas, Euromax, Stone Gallery, Lola Home, Vidraçaria Juvevê, Pastilhart, Deca, Riera Sis, Espaço Moldura Minuto, Art Des Caves, Guaraúna e Portinari.

0 comentários: