sexta-feira, 21 de novembro de 2014

A SINGULARIDADE DE RENATA McCARTNEY

1 Comentário


Foto: Studio Gaia 

A Designer de Interiores, Renata McCartney, começou sua carreira trabalhando por dez anos com cenografia para publicidade e cinema. Aprendeu a ver ambientes como cenários, onde luz, textura e detalhes são fundamentais.
Morou oito anos fora do país, estudou e trabalhou em um renomado escritório em Londres que através dele participou de projetos super luxuosos de mansões milionárias espalhadas mundo a fora. Hoje com escritório em Curitiba, a história é outra, Renata se dedica a fazer só o que realmente gosta, uma decoração personalizada, cheia de bossa e muito charme. 



Foto: Studio Gaia 

E ela se diverte, se reinventando em uma gama sem fim de texturas, tecidos e papeis de parede. Sua linguagem singular já é marca registrada de seu trabalho e aos poucos Curitiba está se rendendo ao Boho Chic cheio de influências européias da Rê. Aproveitem o papo!


CZ_ Renata, você se formou em publicidade e depois Design de Interiores, como foi esta transição de carreira?

RM_ Comecei fazendo faculdade de publicidade aqui na PUC. Depois trabalhei com produção de cenários, fiz direção de arte para comerciais e cinema. Depois de dez anos nessa área e já então morando em São Paulo, sentia que não era o lugar que gostaria de morar, mas também não era possível voltar pra Curitiba pois o mercado de cinema aqui era muito pequeno. Decidi então ir pra Londres pra estudar Inglês por um ano, e acabei ficando oito. No inicio procurava um trabalho na área de cinema só que o mercado de lá não é como a gente imagina, também é pequeno para tanta procura...Fiz direção de arte para alguns curtas mais era tudo de graça. Por fim, Fui trabalhar num Pub para me manter. Foi uma experiência fantástica em vários sentidos e também acabou me trazendo a sorte grande. Um dia um cliente amigo meu disse: Você vai decorar a minha casa! (sabendo da minha experiência com cenários). E eu disse: Ah, tá bom! ( Risos). Meu marido, na época namorado me ajudou na execução do projeto. A partir daí outros projetos vieram e eu pensei: Esse trabalho é bem legal, eu quero trabalhar com isso!

CZ_ Foi neste momento que decidiu fazer um curso de design de interiores? Onde você estudou?

RM_ Sim. Pesquisei em várias escolas e acabei por escolhendo a London Academy of Arts.


Foto: Mariana Alves 


CZ_ Você trabalhou por algum tempo em Londres não foi? Comente um pouco sobre o este começo. 
RM_ Depois que me formei comecei a trabalhar no escritório de um americano. Ele montava apartamentos decorados e personalizados para vender. O escritório tinha um conceito bem legal de misturar estilos, peças novas com antigas, design industrial, e eu adorava. Lá tem umas feiras incríveis no interior da Inglaterra e meu antigo chefe me dava o cartão de crédito, me mandava pegar o carro e o estagiário e eu ia e comprava um monte de coisas ( risos) a gente tinha um depósito para guardar as peças...Depois de um tempo ele acabou mudando de país e fui trabalhar em outro escritório, do Alidad. Tive muita sorte de conseguir este contrato pois o escritório é muito conceituado. O dono é de origem persa, por isso a linha do escritório é mais clássico, tudo lá é customizado, até o pingente que vai à cadeira é escolhido a dedo... Os desenhos das tapeçarias... Os tipos de fios... Cada projeto demora em média cinco anos pra finalizar. Vários dos clientes eram sheiks e milionários e por isso viajávamos pra Varios países para acompanhar obras ou desenvolver projetos. Também Recebíamos no escritório visitas de todos os melhores fornecedores de tecidos, papéis, mobiliário, etc para mostrar as últimas coleções, o que fantástico. 


Projeto do escritório Persa em Londres Alidad 


Projeto do escritório Persa em Londres Alidad 

CZ_ Por que você decidiu voltar ao Brasil? 

RM_ Depois que tive meu filho, eu queria que ele tivesse contato com os avós, a família. Meu marido é Australiano, ele também não tinha família em Londres, éramos só nos. Só quando você tiver um filho que vai entender... Eu não me arrependo nenhum pouco de ter voltado para o Brasil, essa convivência com a família é impagável. 

CZ_ O que não pode faltar em um projeto seu? 

RM_ Não pode faltar cor, pelo menos uma pitadinha. 


Foto: Fer Cesar 


Foto: Fer Cesar 

CZ_ Como você define seu estilo? 

RM_ Acho que meu estilo é elegante sem ser pretensioso. Tudo parece simples, mas é muito bem pensado. Ha uma riqueza nos materiais, nas texturas, nos detalhes e no toque. Gosto de criar ambientes que pareçam ter vida, que mostrem a personalidade do cliente, como nos cenários de cinema. 


Foto: Studio Gaia 


Foto: Studio Gaia 

CZ_ De que forma você concilia seu estilo com o do cliente?

RM_ Eu acredito que a minha maior qualidade como designer é ter a sensibilidade de decifrar o cliente, tipo adivinhar o que ele quer quando nem ele mesmo sabe explicar direito. É um dom de captar. ( Risos). É meio louco. Depois que isso acontece, eu consigo aliar meu estilo com as necessidades dele de uma forma muito natural. Nunca tive problemas de clientes que não gostassem das minhas referências, acho que as pessoas que me procuram já gostam dos meus projetos.

Muito Obrigado Renata pelo bate papo, o Chez Moi! é todo derretido pelo seu trabalho, parabéns!

Para mais Renata acesse: www.renatamccartney.com.br

1 comentários:

Rejianne Alves disse...

Os trabalhos da Renata são realmente lindos!